• Sérgio Filho

Gênio criativo, P&D, Labs, Startups e Dinossauros Ágeis



Assim como Charles Darwin nos apresentou em sua mundialmente conhecida Teoria da Evolução, que propõe que a seleção natural é o mecanismo que torna possível a evolução das espécies, as empresas também evoluem à medida que novos entrantes desafiam e o modificam as ortodoxias do mercado. Startups como Uber e Airbnb, por exemplo, focaram em atender necessidades não atendidas e disruptaram o mercado no qual adentraram. Este abalo sísmico na estrutura do mercado impulsiona a transformação interna dos demais competidores, inclusive e principalmente dos líderes, e fomenta as atividades de inovação. No entanto, a forma de fazer inovação também passou por inúmeras modificações à medida que novas pesquisas e práticas emergiram e se consolidaram, oferecendo novas metodologias e ferramentas a serem exploradas.


Em um artigo para a Harvard Business Review, Scott Anthony discorreu sobre a evolução da inovação, que me inspirou a escrever este texto. A seguir, lhes apresento as quatro eras da inovação corporativa:


1ª Era da inovação

Também conhecida como a Era do Inventor Solitário. Thomas Edison, Santos Dumont e John Pemberton foram capazes de gerar inovações para a sociedade. Eles não sofriam a pressão do tempo ou da competição mercadológica e podiam trabalhar em seus próprios ritmos e com seus recursos para fazer as coisas acontecerem.


2ª Era da inovação

Com a consolidação das linhas de montagem nas indústrias, a inovação ficou fora do alcance do inventor solitário. Então, emergiu uma nova era de inovação: a Era dos Laboratórios Corporativos. As grandes empresas, com grandes áreas de pesquisa e desenvolvimento (P&D), como a DuPont, a P&G e a IBM, foram responsáveis por boa parte das inovações comerciais.


3ª Era da inovação

A ascensão das áreas de P&D nos levou à 3ª Era da Inovação: a Era das Startups Financiadas por Capital de Risco. Esta é a era na qual nos encontramos agora! Funcionários inquietos e frustrados das grandes empresas se unem para iniciar suas próprias startups que, muitas vezes, são apoiadas por capital de risco. As startups são empresas com um grande propósito que buscam modelos de negócios repetíveis e escaláveis.


4ª Era da inovação

O problema nos dias de hoje está na sustentação de um negócio por tempo suficiente que possibilite a criação de uma vantagem competitiva sólida e duradoura. Se as grandes empresas, com seus relevantes ativos e escala global, puderem adotar novos comportamentos organizacionais, como a agilidade de uma startup, elas poderão ser líderes na nova era. Os desafios estão na prática do modelo adequado de inovação que permita explorar os recursos sem esbarrar nas burocracias do negócio.


Agora que você já conhece as quatro eras da inovação, é importante refletir sobre como sua empresa enxerga e pratica a inovação para, na sequência, diagnosticar em qual era da inovação ela se encontra e qual seria o próximo passo para evoluir. Sua empresa deixa a inovação à cargo de uma pessoa específica, adota práticas de P&D, busca se conectar com startups ou busca uma transformação interna com foco em inovação? Pense um pouco mais sobre isso, ok? Embora estas eras sejam apresentadas em ordem cronológica, não há necessidade de encaram a evolução da inovação na sua empresa desta forma. Nada é linear! Defina novas práticas inspiradas em cada uma das quatro eras e inicie um processo de experimentação. Inovação depende, essencialmente, da coragem de experimentar novas abordagens.


Grande abraço e até a próxima reflexão inovadora!


Sérgio Gualdi Ferreira da Silva Filho

Copyright © 2016 Escola de Inovação. Todos os direitos reservados.